Já somos 7 bilhões!

  • Até onde a raça humana conseguirá crescer? Existirão recursos para todos?
    Essas são perguntas que podem ter passado por sua cabeça em algum momento ao se deparar com a informação que já somos 7 bilhões e esse tema continua gerando debates acalorados e não é para menos, nos últimos 200 anos crescemos sete vezes. Esse crescimento tem um padrão sem precedentes e deve-se ao nosso desenvolvimento em várias áreas da tecnologia e saúde. Você consegue imaginar-se em um mundo sem vacinas, analgésicos, anti-inflamatórios, penicilina, anestesia entre outros recursos que são comuns para nós hoje?
    Há 60 anos a expectativa média de vida era de 47 anos, hoje esse número cresceu para 70 anos e isso passa a ser uma tendência conforme aumentamos o nosso conhecimento. Porém isso tem consequências, a população ficou com uma média de idade maior, ou seja, hoje temos mais pessoas na faixa da “melhor idade” e com isso necessitamos cada vez mais de adequações, recursos e opções de lazer e diversão.
    Outro desafio gigantesco é como alimentar a todos? Precisamos de mais água e solo para plantação, hoje sabemos que essas fontes são escassas. Então o que fazer? Podemos mudar nosso modo de vida?
    Hoje mais de um bilhão de pessoas vão dormir com fome todos os dias, mas apesar disso existe um desperdício de um terço de tudo o que plantamos.
    De acordo com a ONU, se nada mudar, a quantidade de pessoas afetadas pela falta de água no planeta passará dos atuais 700 milhões para 3 bilhões de pessoas até 2025. O Brasil felizmente é o país que dispõe de mais recursos hídricos do planeta, graças a bacia do rio Amazonas, mas mesmo assim precisamos ter muito cuidado com os recursos que temos, segundo a Agência Nacional de Águas (ANA), ainda precisamos investir cerca de 22 bilhões de reais para evitar o risco de desabastecimento de água potável em 55% dos municípios brasileiros.
    Os números dizem que em 60 anos, a nossa taxa de urbanização praticamente dobrou, aqui no Brasil atingimos 85% da população vivendo nas cidades. Como oferecer moradia digna, transporte público de massa eficiente e com preço justo, suprimento de água potável, tratamento de lixo e esgoto para tantas pessoas? Os desafios são imensos.
    Todo início de ano acompanhamos pelo noticiário uma série de catástrofes, tanto que algumas pessoas acreditam ser corriqueiras, tamanha frequência e repetitividade. São inúmeras enchentes e deslizamentos, nós mudamos sistematicamente o relevo dos rios que atravessam nossas cidades, forçamos e tomamos espaços destinados à natureza e esta nos cobra com juros e correções pelos nossos atos.
    Mas o que é necessário para podermos manter a sustentabilidade do nosso estilo de vida?
    Nosso estilo de vida mudou muito nos últimos anos, ficamos dependentes de vários aparelhos tecnológicos e tudo o que isso implica diretamente no nosso dia a dia. Eu me recordo de quando eu escrevia cartas para amigos e parentes há 20 anos, me lembro de como era gostoso ver que depois de alguns dias ou semanas, uma carta havia chegado, trazendo novidades e respostas, hoje o e-mail faz isso de forma instantânea.
    Mas como gerar toda eletricidade que precisamos para alimentar esse sistema? O Japão nos mostrou o quanto é perigoso as usinas nucleares, toda Europa já discute o cancelamento de novas instalações e a desativação das que estão em hoje funcionamento.
    Na verdade eu vejo que a humanidade chegara logo a uma questão extrema, que será a de encontrar a fórmula entre a escassez e o excesso, o ponto de equilíbrio para nossa sobrevivência, a administração e gestão dos recursos. Mahatma Gandhi em sua sabedoria eternizou a sentença que deve ser um ponto fundamental para nossa orientação no enfrentamento dos tempos que estão por vir: “A Terra pode oferecer o suficiente para satisfazer a necessidade de todos os homens, mas não a ganância de todos os homes”.

    Matéria inspirada no artigo publicado por André Trigueiro, jornalista com pós-graduação em gestão ambiental, professor e criador do curso de jornalismo ambiental da PUC-RJ, âncora do Jornal das Dez, da Globo News e comentarista da Rádio CBN.
    É autor de três livros e organizador do site http://www.mundosustentavel.com.br


    14,jan,2012 | alex | Sem Comentário | Tags:,

Sobre o Autor

Ricardo Alex

Deixe seu comentário

* Nome, Email e comentário são obrigatórios